Google+ Followers

1.3.07

"PELO AMOR DE JESUS ME OUÇA SÓ MAIS ESTA VEZ!"



Irmãos no Evangelho da Graça e na Esperança da Salvação Eterna: Graça, Paz e Perseverança!



Sendo amazonense e filho de um pai de alma selvátiva e amante da natureza desde sempre; e, além disso, tendo crescido com meu pai na natureza mais exuberante do planeta Terra, a Amazônia; e sido adolescente na época em que se criaram os termos “ecologia” e “explosão demográfica”; bem como tendo tido forte influencia do chamado movimento “Hippie”, o qual tinha uma dimensão “profética” em relação ao “meio ambiente” e à preservação da Natureza (ou seja: da Criação) — ao me converter ao Evangelho em 1973, o tema da preservação da criação já me era totalmente absorvido como valor essencial.

Logo que me converti comecei a ser chamado para falar sobre Evangelho e Ecologia; e isto ainda em Manaus. Foi nesse mesmo período, aí pelo ano de 1975, com apenas dois anos de fé, que me chegou às mãos um livro de Francis Schaeffer intitulado “Poluição e a Morte do Homem”.

No livro Schaeffer advertia que se os cristãos não abrissem os olhos para o tema da Ecologia, perderiam o “direito de primogenitura” em relação a serem voz de Deus na Terra nas décadas ainda adiante de nós.

Foi em razão daquele livro que comecei a pesquisar o tema mais a fundo e fui ficando aflito com o destino do mundo. Pois, o que eu já encontrava à época, me assustava deveras como filho de Adão, resgatado pelo 2º Adão, Jesus, no chão deste mundo.

Ora, se já me preocupava com o assunto, passei a estar muito mais antenado a ele.

Assim, não só incluía o tema no que pregava (por exemplo: mostrando as implicações da Ressurreição no Corpo Físico de Jesus na questão ecológica) — como também o fiz presente em livros que escrevi, como “Novos Líderes Para Uma Nova Realidade” (1985-86), “Um Projeto de Espiritualidade Integral” (1987); e outros vários, como no livro “Avivamento Integral” (1993-94). Isso tudo além de me envolver em muitos debates na mídia acerca do tema.

Entretanto, do início do site www.caiofabio.com em diante, esses temas e preocupações passaram a ser recorrentes. Prova disso é a quantidade de material que no site existe sobre a questão.

Nos últimos dois anos, entretanto, tudo isto se transformou de “tema” em fato esmagador ante meus sentidos de natureza profético-científicos. Hoje, somente os absolutamente alienados podem dizer que se trata de algo de somenos importância.

E nós ainda nem mesmo estamos sendo dramaticamente atingidos pelo que se anuncia como catástrofe certa no Planeta.

De fato, estamos experimentando as primeiras e leves contrações que aparecem no útero da Terra!

As “Dores” ainda se tornarão esmagadoramente percebidas por todos. Afinal, o diabo, cega o entendimento os incrédulos para não darem crédito à verdade até que já não haja mais volta ou cura...

Alguns cristãos, ao lerem o que tenho escrito ou ouvindo o que tenho falado, pensam que esse não é um tema de fato essencial.

Sim! Porque um dos ardis do diabo tem sido converter a “igreja” num “Cassino de Prosperidade” ou numa “Las Vegas de Promessas Mentirosas”; e que produz fantasias de temas supostamente de salvação.

Conforme Jesus disse, quando esse tempo chegasse, os homens estariam cada vez mais alienados e descrentes — incluindo os chamados “eleitos”.

Sim! Ele disse que quase todos estariam apenas preocupados em “casarem-se e darem-se em casamento”. Estariam apenas concentrados nos aspectos pequenos e tolos da existência, quando comparados com o tamanho das catástrofes que estão logo ali na esquina do Universo.

“Até o dia em que Noé entrar na arca”... e a porta de fechar!

Os sinais da calamidade que precedem à volta do Senhor estão gritando aos nossos sentidos, mas poucos parecem dar ouvidos; e, os que ouvem alguma coisa, não sentem que é sua responsabilidade fazer o bem que Jesus disse que o Senhor espera ver Seus filhos fazendo ante a catástrofe (Mt 24-25).

“Quando vier o Filho do Homem, porventura achará fé na Terra?” — indagou Jesus acerca desta hora.

Os melhores entre nós ainda vivem apenas para as pequeninas coisas e causas; e, a maioria deles existe apenas para lamentar e nada fazer. E mais: seus sofrimentos não são os dos profetas, mas os dos frustrados e deprimidos.

Entretanto, celeremente aproxima-se o tempo em que surgirá a Síndrome do Pânico Universal, quando os homens “desmaiarão de terror pelo rugido dos mares e das ondas, e pela expectativa das coisas que sobrevirão à Terra”.

Os profetas já não precisam falar nada sobre as calamidades, pois, os cientistas e a ciência estão cumprindo este papel.

Todavia, há coisas que somente os profetas e o povo da esperança podem fazer neste tempo das agonias da Terra.

A primeira delas é fazerem o Evangelho puro e simples de Jesus ser ouvido em toda Terra.

E isto não está acontecendo, pois, o que cresce entre nós é o “Cassino da Prosperidade” e que se alimenta da mesma energia que destrói o mundo; e, além disso, o que se expande entre nós é a “Las Vegas da Igreja dos Néons do Engano”.

A segunda coisa a fazer seria assumir a mordomia do Planeta, com ações claras e simples de dês-indetificação com o sistema da Grande Babilônia e da Besta.

O que também não acontece, posto que as ambições da “igreja” são exatamente as mesmas do “mundo” que destrói a criação de Deus.

Os sinais do “Tempo do Fim” se tornam diários entre nós, mas parece que ninguém quer ver.

O mundo está à beira da autodestruição. Desde os sinais de natureza política nacional e mundial, com guerras, rumores de guerras, revoluções, e uma ânsia suicida sem precedentes; e passando pelos sinais de aspectos existenciais de morte dos afetos, controle global, escravização de almas humanas e manipulação — e tudo isto movido pelo poder da ganância humana de amplitude global — tudo está aí, para ser visto e percebido até por macacos, pássaros, répteis, peixes, e bactérias; menos pelos humanos.

O mundo está para explodir em fogo, gelo, calor, fumaça e enxofre! — mas ninguém, ou muito poucos, parecem dar crédito ao óbvio.

Como tenho dito repetidas vezes, ainda que parássemos de guerrear e de criar bombas de morte, ainda assim, mesmo que se decrete o tempo que Jesus e os Profetas chamaram de era da “Paz e Segurança”, em razão de usarmos formas de energia de “sufocação” (como o petróleo), o planeta entrará em colapso logo, logo.

A Terra está “entesourada para o fogo”, disse Pedro; e nós, não contentes, antecipamos tal realidade queimando, matando, dizimando e lambendo o planeta com nossas próprias fogueiras acesas pelas chamas de nossas infindáveis vaidades e cegueiras.

Hoje a leitura do Apocalipse dispensa esforços interpretativos. Os selos estão sendo abertos em velocidade assustadores; e, agora, o que nos aguarda são os “cálices e os ais”. Além disso, o sistema de controle da Besta e da Grande Babilônia está montado e em pleno funcionamento.

O que temos ainda a esperar?

Eu, de minha parte, mesmo vendo Soberania de Deus em todas as coisas, percebo também que justamente agora, quando meu coração e maturidade espiritual nunca foram tão nítidos e lúcidos em tais percepções — não possuo os meios que antes eu dispunha; posto que hoje, pelas circunstancias que acometeram minha vida pessoal, e pelo boicote dos crentes a mim em razão de tais fatos (com quase dez anos de tempo decorrido), não tenho mais tais meios ao meu alcance.

Em todas aquelas coisas tive minhas próprias responsabilidades, embora também veja que sem as perdas que sofri em razão de meus próprios pecados e equívocos da década de 90 (95 a 99), jamais estaria vendo a vida e o mundo como os vejo Hoje.

Entretanto, a ironia é que quando mais desejaria bradar ao mundo o que está a ele acontecendo, e mais vejo a necessidade de anunciar o Evangelho Eterno (o qual carrega os conteúdos originais da pregação dos apóstolos, mas também leva consigo a voz do anjo que no Apocalipse clama acerca da morte da Natureza) — nesse mesmo tempo minha voz está diminuída e os meios humanos para fazer a Proclamação já não estão à minha disposição como antes estiveram.

No entanto, mesmo sabendo que os “anti-cristos” procedem de “nosso meio”, como disse João; e mesmo sabendo que há pessoas que ainda que sem poderem negar a Palavra de Deus em minha boca, preferem calá-la — correrei o risco deliberado de ser julgado por elas; e, portanto, apesar disto, me exporei a tais riscos a fim de apelar a quem não perdeu nem o juízo e nem o discernimento.

Filhos do Evangelho que me ouvem e lêem. É com vocês que falo; e somente com vocês; e com mais ninguém!

Ouçam-me, pois, com toda atenção!

Os dias nunca foram tão maus. E logo o que hoje é apenas um surto existencial e psicológico de Síndrome do Pânico, em breve, muito breve, se transformará num fenômeno global sem precedentes; e, de fato, como disse Jesus acerca desse tempo, os homens começarão a cair mortos nas ruas e metrôs das cidades, não por falta de pão, mas em razão do medo e da total falta de esperança que sobrevirá ao mundo.

Assim, peço a você que me ajude. Sim! Porque entendo que nem todos têm a visão e o dom de explicar e bradar que Deus me deu. Entretanto, se Ele assim o fez, não será nenhum pecado de minha vida passada o que me impedirá de cumprir cabalmente o meu ministério, de completar a carreira e de guardar a fé.

Sei que tudo provém de Deus. E se Ele me deu os dons de discernimento e de anuncio do Evangelho que me deu, com ou sem ajuda dos que se dizem irmãos, mas apenas com o que tenho e posso sozinho, morrerei clamando, mesmo que como voz meio que solitária no deserto. Mas ninguém me deterá ou me intimidará.

Entretanto, se for ajudado, muitos, milhares e milhões, ainda podem ser alcançados pelo Evangelho que salva e dá esperança; bem como muito ainda pode ser feito como anuncio profético acerca desse tempo único e singular que vivemos.

Cada um nasceu na geração que o Pai determinou. E, no que me diz respeito, sei que fui feito para esse tempo e hora.

Aceito, portanto, o chamado de Deus para mim no fim dos tempos, e dele não fugirei; ao contrário, como um ser apenas consciente da Graça Eterna de nosso Deus, entregar-me-ei ao chamado que me foi feito, e a ele me darei com todas as minhas forças até o fim.

Todavia, sei que Deus ainda tem muito povo que não caiu na descrença e no cinismo. É, portanto, com tais irmãos na Verdade que falo.

Mediante este site milhares estão sendo alcançados pela Palavra do Evangelho e sido renovados em sua fé em toda parte. Mas há muito a ser feito, e que pode ser realizado, se tão somente nos unirmos.

O que peço é simples se muitos se unirem, e impossível se apenas uns poucos o fizerem.

O que peço então?

Ora, desejo ter pelo menos um ou dois anos de anuncio intenso do Evangelho nos meios de comunicação de massa.

Vejo programas de televisão que supostamente falam de Jesus gastarem dinheiro fabuloso nos horários nobres, apenas para darem uma espécie de “Cibalena Velha” ao povo; sem nenhuma visão da gravidade desses dias. E isto me mata de angustia.

Assim, interprete-me como desejar (logo estaremos todos diante da Luz e cada um saberá o que me vai no coração) — mas o que peço a você é ajuda para fazermos juntos um grande anuncio do Evangelho ao povo aqui em todo o mundo.

Aqui (digo: no Brasil), gostaria que você me ajudasse a comprarmos horários (não mais que uma hora por semana na televisão), a fim de proclamarmos o Evangelho em sua totalidade à nação brasileira; e a todos os que falam português, e que estão espalhados pela Terra.

No mundo, com todas as nossas limitações de gente pobre, peço sua ajuda para traduzir meu site inteiro para o inglês e colocá-lo disponível a todos os habitantes da Terra.

O primeiro desafio é mais caro que o segundo, embora, obviamente, o impacto local seja infinitamente mais forte. Isso nos custaria uns cem mil reais por mês.

O segundo desafio é mais barato, e nos custaria apenas uns cinco mil reais por mês.

Sei que você enfia a mão no bolso e olha para seus ganhos e suas despesas, e vê tais somas como imensas. Entretanto, não esqueça que os “exploradores” levantam milhões de dólares aqui neste país de miseráveis apenas para anunciar o engano que os locupleta cada vez mais de dinheiro, enquanto esvaziam o bolso e a alma do povo; sem falar que falsificam o Evangelho.

Portanto, eles mesmos, “os enganadores”, nos provam que movido pelo medo e pelas necessidades imediatas, o povo, mesmo os mais pobres, unidos pela desgraça e pelas falsas promessas, levantam grandes quantidades de dinheiro para fazerem aquilo que não trás vida, mas apenas engano.

Assim, sem delongas e sem justificativas (quem lê, entenda!) — peço a você que me ajude; pois, não é tempo para debates, mas para ações rápidas e urgentes!

Eu e amigos do Caminho (não falo do “Caminho da Graça”, mas do Caminho da fé em Jesus) — temos tudo pronto para começarmos logo. Mas não conseguiremos alcançar a tantos quantos poderíamos sem a sua ajuda.

Creio que o Espírito de Deus há de levantar os espíritos por Ele iluminados, a fim de que discirnam a gravidade deste apelo.

Se você entendeu e desejar ajudar, sem que mais me explique acerca de nada, apenas ajude.

Como?

1. Envolvendo-se com urgência com as verdadeiras causas do Evangelho.

2. Orando em todo o tempo no Espírito Santo; pois, é, mais do nunca, tempo de intercessão.

3. Ajudando financeiramente a fazermos a Voz do Evangelho ser ouvida mais uma vez, como num estrepitoso grito de profecia, neste país e no mundo.


Se você orar e buscar a Deus, Ele mesmo falará com você que falo a verdade e não minto.

Portanto, se Deus falar com você, peço: apenas confie que é diante Dele que estamos; e que sei que eu mesmo serei julgado por Ele (eu e todos nós), se não fizermos exatamente aquilo que da parte Dele, e em nome de Jesus, estou propondo a você.

Assim, peço que ajude também financeiramente, não se preocupando se sua ajuda fará ou não diferença; pois, na união de muitos dando o que puderem, esses “cinco pães e dois peixinhos” que você tem ainda podem alimentar milhões de seres humanos na Terra; os quais, além de morrerem por falta de pão, morrerão cada vez mais por falta de esperança.

Desse modo, peço que você contribua da seguinte forma:

Os que moram no Brasil devem enviar todos os meses sua contribuição conforme os dados abaixo descritos; seja diretamente no Banco do Brasil, ou mesmo via Internet:

“O Caminho da Graça”
Banco do Brasil S/A -
Agência 1231-9
Conta corrente: 22448-0
CNPJ: 07.338.110/0001-07
Finalidade: depósito em conta corrente.

Os residem no exterior devem procurar uma agência do Banco do Brasil e procederem seu deposito conforme os dados acima, não esquecendo que o CNPJ do “Caminho da Graça” é 07.338.110/0001-07.

Prestarei contas a Deus por tal pedido, caso não faça exatamente o que estou propondo a você!

Além disso, todos os meses prestarei contas você, aqui no site, acerca de todas as entradas financeiras!

O mais, deixo entre você e Deus!

Minha parte junto a você está feita. Entretanto, com ou sem a sua ajuda, eu irei; aliás, já fui... — e poder humano algum me deterá, em nome de Jesus!

Não precisa me escrever. Sua resposta será sua contribuição!

Quanto ao mais, me entrego Àquele que é Juiz de Vivos e de Mortos!


Que o Eterno abra o seu entendimento; pois, é somente com isto que eu de fato conto!



Nele, que nos pôs aqui para este tempo e hora,



Caio

28/02/07
Lago Norte
Brasília
Em dias do fim...

Um comentário:

Maria do Socorro disse...

É um privilégio fazer parte da família de Deus.Reconheço que não é o verdadeiro evangelho que está sendo pregado pela mídia, que muitos estão sendo enganados,por isso também quero abraçar esta causa de forma verdadeira:Contribuindo, Orando e Intercedendo. Que tudo seja feito para glória de Deus!!!